sexta-feira, 28 de novembro de 2008

Mânica Condecorado na ALMG

Boa noite caros leitores,
apesar desta notícia não ser nenhuma surpresa em se tratando de nosso Brasil, acho importante divulgá-la. É um absurdo alguém acusado de exploração de trabalhadores rurais e de comandar o assassinato de auditores fiscais do trabalho que investigavam as denúncias de desrespeito da legislação trabalhistas em suas fazendas, possa concorrer às eleições e ainda ser eleito, assim como ser condecorado pela Assembléia Legislativa de Minas Gerais.

Caso Unaí – Réu é condecorado pela Assembléia Legislativa de Minas

Mânica, que é prefeito do município de Unaí, recebeu a Medalha da Ordem do Mérito Legislativo no grau de Mérito, por indicação do deputado estadual Inácio Franco (PV).


26-11-2008 – SINAIT

O SINAIT recebeu a informação de que Antério Mânica, réu no processo que apura o crime de Unaí, acusado de ser mandante do assassinato dos Auditores Fiscais do Trabalho – AFTs Eratóstenes de Almeida Gonsalves, João Batista Soares Lage e Nelson José da Silva e do motorista Ailton Pereira de Oliveira, recebeu uma condecoração da Assembléia Legislativa do Estado de Minas Gerais. Mânica, que é prefeito do município de Unaí, recebeu a Medalha da Ordem do Mérito Legislativo no grau de Mérito, por indicação do deputado estadual Inácio Franco (PV).

O presidente da AAFIT/MG, José Augusto de Paula Freitas, apresentou ontem na plenária do ENAFIT a Moção de Repúdio da entidade, enviada para a imprensa e entidades sindicais. A presidente do SINAIT, Rosa Jorge, propôs que o plenário do 26º ENAFIT também aprove uma Moção de Repúdio diante deste fato e a proposta foi aprovada. A redação da Moção será apresentada no dia 28 de novembro, no encerramento do Encontro.

O SINAIT e a AAFIT/MG externam seu repúdio à concessão da comenda a este Senhor, sobre quem pesa grave acusação criminal, em processo ainda em andamento. É uma afronta às famílias dos servidores públicos mortos e à Fiscalização do Trabalho a atitude da Assembléia Legislativa.

Veja a Moção de Repúdio da AAFIT/MG e matérias publicadas hoje sobre o assunto:

Moção de Repúdio

A Associação dos auditores Fiscais do Trabalho de Minas Gerais – AAFIT/MG, representando a indignação de todos os Auditores Fiscais do Trabalho do Estado, colegas saudosos de Aílton, Eratóstenes, João Batista e Nélson, covardemente executados em Unaí – Noroeste de Minas Gerais, em 28 de janeiro de 2004, vem, de público, repudiar ato da Assembléia Legislativa do Estado de Minas Gerais que conferiu ao Sr. Antério Mânica, prefeito reeleito de Unaí, a condecoração da Medalha da Ordem do Mérito Legislativo.

A homenagem prestada a um dos suspeitos de ser mandante daquela execução afronta a todos os Auditores Fiscais do Trabalho do Brasil.

Os colegas foram imolados naquele que foi o maior atentado contra agentes do Estado em nosso país. O Estado brasileiro foi duramente atingido e, infelizmente, vem se calando, seja pela indiferença das autoridades, seja pelo acolhimento de medidas procrastinadoras, que visam tão somente retardar a merecida ida dos executores e mandantes a julgamento público.

São quase 58 meses de impunidade!

Se a mão que julga é lenta e lerda, vemos com tristeza que a mão que afaga é rápida e pródiga. Nada ocorre gratuitamente. Primeiro, uma nota favorável que sai na imprensa nacional justificando o crime; agora, uma gratuita homenagem feita pela Assembléia mineira. Amanhã, se nos mantivermos calados, o que será?

A AAFIT/MG conclama a todas as entidades sindicais que tanto nos vêm apoiando desde a cruel execução dos quatro servidores para que também se manifestem, tornando pública a sua, a nossa indignação.

Às famílias dos colegas mortos, nosso mais carinhoso desagravo e nossa promessa mais solene, feita diante dos preciosos cadáveres ainda insepultos, que ora renovamos: Nós não nos calaremos.

José Augusto de Paula Freitas
Presidente da AAFIT/MG

26-11-2008 – Estado de Minas (MG)

Chacina de Unaí

O ex-delegado regional do Trabalho Carlos Calazans entregou ontem ao presidente da Assembléia Legislativa, Alberto Pinto Coelho (PP), nota de repúdio à concessão de medalha de honra ao mérito ao prefeito de Unaí, Antério Mânica (PSDB), acusado de ser o mandante da chacina de Unaí, em 2004, quando foram mortos quatro servidores do Ministério do Trabalho. Ele também devolveu a medalha que recebeu da Assembléia.

26-11-2008 – Folha de São Paulo

Painel

RENATA LO PRETE - painel@uol.com.br

Honra ao mérito. A Assembléia Legislativa de Minas Gerais condecorou Antério Mânica, prefeito de Unaí (MG) e um dos suspeitos de ter participado da chacina de fiscais do trabalho na cidade quatro anos atrás. A razão foram seus "serviços ou méritos excepcionais" em 2008.

25-11-2008 – Blog do Sakamoto

Acusado de chacina recebe medalha em Minas Gerais

Antério Mânica, prefeito reeleito de Unaí, foi um condecorados ontem com a Medalha da Ordem do Mérito Legislativo, em cerimônia promovida pela Assembléia Legislativa de Minas Gerais, realizada no Palácio das Artes e “aplaudida por mais de mil convidados”, como explica o site da instituição.

A condecoração deixou entidades da sociedade civil bastante surpresas, uma vez que o prefeito é acusado de ser o mandante da Chacina de Unaí.

Em 28 de janeiro de 2004, quatro funcionários do Ministério do Trabalho e Emprego foram assassinados em uma emboscada enquanto realizavam uma fiscalização rural de rotina na região de Unaí, Noroeste de Minas Gerais. O caso ganhou repercussão na mídia nacional e internacional, o que levou o governo federal a uma verdadeira caçada aos executores e mandantes do crime. Foram apontados como mandantes dos assassinatos os fazendeiros Norberto e Antério Mânica, que figuravam entre os maiores produtores de feijão do mundo. Ambos chegaram a ser presos, mas hoje respondem ao processo em liberdade. Os executores estão presos aguardando julgamento. Após isso, Antério foi eleito prefeito de Unaí pelo PSDB, ganhando fórum privilegiado.

O inquérito entregue à Justiça afirmou que a motivação do crime foi o incômodo provocado pelas insistentes multas impostas pelos auditores. Nelson José da Silva seria o alvo principal. Ele já havia aplicado cerca de R$ 2 milhões em infrações aos Mânica por descumprimento de leis trabalhistas.

Como perguntou um amigo: o que falta agora? Um desagravo oficial do Estado?

26-11-2008 - O Tempo

Mânica, acusado de matar fiscais, é condecorado

Alice Carvalho

A Comissão de Direitos Humanos e o ex-delegado regional do Trabalho, Carlos Calazans, pediram ontem ao presidente da Assembléia Legislativa (ALMG), Alberto Pinto Coelho (PP), a cassação da Medalha de Honra ao Mérito entregue anteontem ao prefeito de Unaí, Antério Mânica (PSDB). Durante o pedido, Calazans devolveu a sua medalha e o diploma que tinha recebido em 2005 por combater o trabalho escravo em Minas Gerais. Mânica é acusado de mandar assassinar, juntamente com o irmão Norberto Mânica, em 2004, três fiscais do Ministério do Trabalho e o motorista da equipe que fiscalizava fazendas da região, inclusive a suspeita de trabalho escravo nas fazendas de feijão de Mânica.

Segundo Calazans, Antério não deveria ser condecorado. "Não posso continuar com a mesma medalha de um assassino. Estamos todos indignado com essa homenagem". Segundo o deputado Durval Angelo (PT), a concessão de uma medalha de mérito é muito importante e deve ser bem analisada antes de sua entrega. "Dar uma medalha dessas a um mandante de assassinato de servidores públicos é uma humilhação muito grande para o Estado", disse.

Julgamento

Trâmite. O processo sobre o julgamento dos irmãos Mânica está parado no STJ. Na próxima semana, Calazans disse que irá ao Ministério Público com a família das vítimas pedir agilidade no julgamento.

Fonte: SINAIT, em 28/11/2008: http://www.sinait.org.br/Site/index.php?id=3588&act=vernoticias

Nenhum comentário:

Postar um comentário